Alimentos para levantar o astral

Foto: fashionviral.net

Sabia que alguns alimentos têm o poder de garantir o bem-estar, elevar o astral e espantar a tristeza? Eles contêm substâncias capazes de estimular a produção de serotonina, o neurotransmissor responsável pela sensação de prazer, tranquilidade, bom humor e otimismo. Em outras palavras, eles nos deixam mais felizes. Baixos níveis de serotonina estão relacionados à depressão, maior vontade de comer doces e carboidratos em geral.

Nessa busca por leveza, as principais nutrientes são: triptofano, carboidratos, magnésio, todas as vitaminas do complexo B, cálcio, potássio, vitamina C, selênio e os ácidos graxos ômega 3, 6 e 9.  Os efeitos desejados só são obtidos quando o consumo dos alimentos “fonte” de tais nutrientes é frequente, por isso confira abaixo 10 alimentos que garantem dias mais alegres:

1) Carboidratos – ajudam o organismo a absorver e utilizar o triptofano, capaz de estimular a produção da serotonina. Uma alimentação pobre em carboidratos, por dias seguidos, pode levar a alterações de humor e depressão. Boas fontes são: aveia, arroz integral, batata doce, batata baroa, aipim, etc.

Alimentos para levantar o astral

Foto: saltandlavender.com

2) Folhas verdes escuras – níveis adequados de ácido fólico estão associado a uma menor prevalência de depressão e os alimentos fontes de folato são: rúcula, agrião, espinafre, brócolis, alface, chicória e couve.

Alimentos para levantar o astral

Foto: therecipecritic.com

 3) Ovo – é rico em complexo B que ajuda na modulação do humor. Dar preferência ao ovo caipira e evitar a versão frita. Vale ovo quente, cozido, mexido ou omelete feito com azeite para não grudar.

Alimentos para levantar o astral

Fotos: edible-woman.com

4) Banana – fonte de vitamina B6 que regula o humor, ainda contém magnésio e potássio que controlam a ansiedade. Fora a excelente quantidade de carboidratos e triptofano que aumentam a serotonina no cérebro.

5) Peixes – são ricos em ômega 3 e triptofano: sardinha, atum, bacalhau, salmão, arenque.

6) Oleaginosas – as castanhas, nozes, amêndoas, avelãs, macadâmias são excelentes fontes de selênio, triptofano, tiamina (vitamina B1) e  ácidos graxos (ômegas 3, 6 e 9).

Alimentos para levantar o astral

Foto: dollyandoatmeal.com

7) Abacate – riquíssimo em vitamina B3 e B9 que atuam nos neurotransmissores, aumentando o bem-estar e diminuindo a ansiedade.

Alimentos para levantar o astral

Foto: themediterraneandish.com

8) Lentilha – fonte vegetal de proteínas (triptofano) e cálcio, seu consumo garante uma sensação de prazer e bem-estar.

9) Cacau / chocolate amargo – fonte de triptofano, o consumo de cacau regula o humor e abaixa a ansiedade. Procure ingerir as versões com no mínimo 70% de cacau, que além de saudáveis ajudam na memória e não engordam.

10) Limão, tangerina, açaí e frutas vermelhas – frutas ricas em antioxidantes como vitamina C e bioflavonóides, que reduzem os efeitos do estresse diário e previnem danos nos neurônios.

Imagem: depositosantamariah.blogspot.com.br

Há quem diga que panela velha é que faz comida boa. Mas você sabia que para ser bom de verdade, um prato deve conter muito mais que sabor? Isso mesmo, os utensílios que usamos para preparar os alimentos podem influenciar na nossa saúde, a escolha do recipiente onde cozinhamos pode mudar tudo.

Dependendo do material que é feita, o calor pode provocar a liberação de substâncias químicas e metais pesados que vão migrar da panela para o alimento. O alumínio, por exemplo, tem afinidade com células adiposas (gordura) e acaba indo mais facilmente para o cérebro (que é formado por gordura) e para tecido adiposo (aquelas nossas gordurinhas).

Imagem: ciaonewportbeach.blogspot.com.br

Resultado: quanto mais metais pesados ingerimos, mais riscos de desenvolver a curto prazo irritabilidade, nervosismo, ansiedade, depressão, hiperatividade e déficit de atenção nas crianças. A longo prazo, podem se desenvolver doenças sérias como Alzheimer, Parkinson e câncer.

Nesse contexto, as melhores panelas são aquelas que não liberam substâncias químicas nos alimentos como as de vidro temperado, cerâmica, ferro e titânio. Vamos aos detalhes:

1) Panelas de alumínio – Mais usadas pelo valor baixo, leveza e por distribuir bem o calor, mas é a menos indicada para a saúde por causa o alumínio que é absorvido pelo alimento.

2) Panelas de inox – Não oxidam, são resistentes e distribuem o calor de forma igual por toda a superfície. Entretanto, contém níquel em sua composição, metal tóxico para a nossa saúde.

Imagem: thekitchn.com

3) Panelas de cobre – São boas condutoras de calor, mas não servem para cozinhar todos os alimentos. Em contato com o sal e alimentos ácidos (tomate, limão, vinagre), o cobre se desprende da panela. A  intoxicação pode causar dores abdominais, náuseas, danos aos rins e ao fígado.

4) Panelas de ferro – Apesar do ferro passar para os alimentos, essas panelas podem ser grandes aliadas no combate à anemia. Só não pode deixar enferrujar (passe uma camada de óleo após lavar e secar, antes de guardar). Pessoas com excesso de ferro no organismo devem evitar as panelas de ferro, claro.

Imagens: Etsy | Anthropologie

5) Panelas de cerâmica – Apesar de mais caras, o investimento vale a pena. Elas são antiaderentes, fáceis de limpar e conservam bem o calor. Atenção para a certificação que garanta a utilização de materiais atóxicos na fabricação, as tintas das panelas não certificadas podem conter metais como cádmio e chumbo.

6) Panelas antiaderentes – Esse é o mais controverso tipo de panela. As pessoas acreditam ser uma boa opção, mas em sua composição estão substâncias extremamente problemáticas que adoecem e podem causar câncer, problemas no fígado, rim, tireoide e coração.

Imagens: iheartorganizing.com | bloglovin.com

7) Panelas de vidro temperado – As mais indicadas e seguras para a saúde. São fáceis de limpar e não passam nenhuma substância para os alimentos durante o preparo, apesar de serem pesadas e frágeis.

8) Panelas de barro – Assim como as de cerâmica, demoram para esquentar, porém conservam bem o calor. Apesar de serem seguras para a saúde, alimentos com baixo teor de água podem ficar ressecados quando preparados nelas.

9) Panelas de titânio – São as mais modernas, resistentes e não fazem mal à saúde, porém costumam ser caras.

Imagens: kalynskitchen.com

10) Formas de silicone – Para assar, não existem melhores: são baratas, não derretem, não liberam substâncias tóxicas e evitam o uso de gordura no preparo dos alimentos.

As opções de vidro, cerâmica e titânio são as que trazem menor risco à saúde, seguidas pelas panelas de cobre e ferro quando utilizadas da maneira correta.

 

 

 

Especial Outubro Rosa

O Outubro Rosa é um movimento que nasceu na década de 1990 nos EUA, com a finalidade de estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada todo ano para compartilhar informações sobre o assunto e conscientizar as pessoas sobre a importância da detecção precoce da doença. Quando descoberta em sua fase inicial, as chances de cura são altíssimas. Por isso, é muito importante ir anualmente no ginecologista e fazer o autoexame.

Como prevenir o câncer pela alimentação

Imagem: Pinterest Clare Nicolson

Estatísticas mostram que em cada 8 mulheres, 1 possivelmente desenvolverá câncer de mama. No post de hoje, trago dicas de nutrição tanto para quem busca a prevenção quanto para quem está em tratamento ou remissão da doença.

Controlar o peso e evitar a obesidade por meio da alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos, assim como evitar o consumo de bebidas alcoólicas e açúcar refinado, são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor.

Como prevenir o câncer pela alimentação

Foto: delbosco.tumblr.com

Uma dieta variada com frutas, verduras, legumes, carboidratos complexos, proteínas e temperos naturais é a mais indicada para a prevenção e o tratamento de quase todos os tipos de câncer, inclusive o de mama. Existem os chamados alimentos funcionais, que além de fornecerem bons nutrientes para o nosso organismo, ainda desempenham esse papel de proteção e/ou tratamento de diversos males. São eles:

  • Frutas cítricas (laranja, limão, tangerina e toranja ou grape fruit) – são ricas em terpenos e polifenóis, substâncias que atrapalham a reprodução das células cancerosas;
  • Brássicas (brócolis, couve-flor, couve, espinafre, repolho, nabo) – são alimentos ricos em indol-3-carbinol, glicosinolatos e sulforafanos que reduzem o risco de câncer e mantêm um balanço entre estrogênio e testosterona equilibrado, mas devem ser consumidos crus ou cozidos por no máximo 5 minutos para manterem seus benefícios;
Como prevenir o câncer pela alimentação

Fotos: themediterraneandish.com | damndelicious.net

  • Tomate e frutas vermelhas e roxas (morango, framboesa, romã, amora, mirtilo, uva, melancia e açaí) – contêm fitonutrientes anticancerígenos como licopeno, antocianinas, quercetina, antioxidantes, resveratrol e flavonóides que fortalecem o sistema imunológico, combatem os radicais livres, retardam o crescimento de células pré-malignas, evitam a formação de novos vasos sanguíneos, que podem alimentar um tumor e atuam no equilíbrio hormonal do corpo, ajudando a diminuir o risco da doença se desenvolver;
Como prevenir o câncer pela alimentação

Foto: Playbuzz

  • Alimentos amarelo alaranjados (cenoura, abóbora, mamão, acerola, manga, batata baroa, batata doce) – contém carotenóides que protegem nossas células contra os radicais livres, substâncias que podem danificá-las e desencadear o processo cancerígeno;
  • Peixes e frutos do mar – fontes de iodo e ômega 3, nutrientes fundamentais. A deficiência de iodo, além de prejudicar a tireoide, causa desordens estruturais nas mamas que podem levar a um processo tumoral, enquanto o ômega 3 possui efeito anti-inflamatório importante;
  • Cogumelos – ricos em L-ergotioneína, superantioxidante que garante proteção contra o câncer de mama em mulheres pré-menopausadas;
Como prevenir o câncer pela alimentação

Foto: lecremedelacrumb.com

  • Gorduras boas – o tipo de gordura escolhida é muito importante para prevenir o câncer de mama. O consumo excessivo de gorduras saturadas (carne vermelha, manteiga, creme de leite, bacon) aumenta os índices de câncer de mama. Invista nos peixes, substitua os óleos refinados pelo azeite de oliva extravirgem, adicione um punhado de oleaginosas (nozes, macadâmia, amêndoas, castanhas) por dia e coma abacate com regularidade. Esses alimentos contém gorduras de qualidade com propriedades anticancerígenas;
  • Carboidratos complexos (arroz integral, batata baroa, batata doce, inhame, feijão, lentilha, grão de bico e farinhas integrais) – a farinha branca, arroz branco e açúcar são gatilhos para mudanças hormonais que podem levar ao aparecimento do câncer, por isto substitua esses alimentos por suas versões integrais e inclua grãos ricos em fibras e lignanas, como grão de bico, feijão, linhaça, chia e gergelim, que além de garantirem um bom funcionamento intestinal, ainda fazem um balanço hormonal positivo, fundamental para a prevenção e tratamento do câncer de mama;
Como prevenir o câncer pela alimentação

Fotos: tasty-yummies.com

  • Chá verde – rico em catequinas, superantioxidante que previne e trata diversos tipos de câncer, inclusive o de mama;
  • Especiarias (cúrcuma, curry, pimenta) – atuam tanto diminuindo o aparecimento quanto eliminando as células cancerígenas sem danificar as saudáveis da mama.
Como prevenir o câncer pela alimentação

Fotos: thymetomango.com

São muitos os alimentos que nos ajudam a combater doenças, então que tal comermos mais comida de verdade e menos pacotes? Vamos descomplicar adotando uma dieta rica em vegetais, frutas, grãos integrais, especiarias e gorduras boas e com menos gordura saturada, açúcar e farinhas refinadas. É simples, basta um mínimo de organização. Lembre-se que o câncer leva anos, décadas para aparecer, o que significa que sempre é tempo de adotar medidas de prevenção. Comece hoje mesmo aumentando seu consumo de frutas e vegetais coloridos.

Primavera e vitamina D

Foto: Pinterest @decorecomgigi

Com a chegada da primavera e o fim do inverno, gostaria de alertar sobre a importância da vitamina D para a saúde e a necessidade de mantê-la em níveis ótimos no sangue, afinal são 3 meses de outono seguidos por 3 de inverno. Ou seja, um semestre com uma menor incidência de luz solar e menor síntese de vitamina D.

Primavera e vitamina D

Foto: nyssaskitchen.com

E por que ela é tão importante? Qual a melhor forma de obtê-la? Como adequar os estoques de quem não se expõe ao sol? Existem alimentos que são fontes de vitamina D?

Ela é lipossolúvel, ou seja, precisa de gordura para ser absorvida. Diferentemente de qualquer outra vitamina que precisa ser ingerida, ela é considerada um pré-hormônio por ser transformada a partir do colesterol, assim como na formação dos hormônios esteroides.

Primavera e vitamina D

Foto: lecremedelacrumb.com

A vitamina D é produzida pela nossa pele por meio de um processo que depende da ação dos raios UVB emitidos pelo sol. Os ultravioleta B – únicos capazes de se transformarem em vitamina D – são bloqueados pelos protetores e bloqueadores solares de penetrarem na pele. Para se ter uma ideia, o protetor fator 8 inibe a síntese de vitamina D em 95% e um fator maior do que isso praticamente zera a sua produção.

A vitamina D e o sol são essenciais para a saúde. O uso de roupas também atrapalha a passagem dos raios UVB. Quanto maior a superfície da pele exposta, maior será a produção de vitamina D. Expor apenas mãos e braços não garante níveis desejáveis dessa vitamina. A exposição ao sol deve ser de corpo inteiro, mas a boa notícia é que bastam poucos minutos.

Primavera e vitamina D

Foto: kitchenconfidante.com

Mas, cuidado: os raios UVB também podem queimar, machucar e prejudicar a pele. Tudo é uma questão de dose e sabedoria. Estudos indicam que pessoas de pele muito clara precisam de apenas 5 minutos de exposição ao sol a pino, diariamente, para manter níveis de vitamina D desejáveis. Já peles menos claras precisam de 10 minutos enquanto que as escuras necessitam de 15 a 20 minutos de exposição. Com apenas 5 a 20 minutos de sol, garantimos saúde de sobra com a segurança necessária.

Evitar a exposição ao sol a qualquer custo pode colaborar para o aparecimento de vários tipos de câncer em diferentes órgãos, além de osteoporose, depressão, dor crônica, enxaqueca, diabetes, pressão alta, doenças autoimunes, entre outras.

Primavera e vitamina D

Foto: kitchenconfidante.com

Abaixo uma lista de algumas doenças que podem ser evitadas com as doses adequadas de vitamina D:

  • Alergias
  • Câncer
  • Diabetes
  • Alzheimer
  • Depressão
  • Doenças autoimunes
  • Doenças cardiovasculares
  • Cáries
  • Obesidade
  • TPM
  • Parkinson
  • Oscilações de humor
  • Psoríase
  • Falta de concentração
  • Enxaqueca

Alguns alimentos como ovos, atum, salmão e sardinha são considerados boas fontes de vitamina D, mas o sol é responsável por 80 a 90% de toda a vitamina D que o corpo produz.

Primavera e vitamina D

Foto: glamshelf.com

Para detectar os níveis de vitamina D basta um exame simples de sangue solicitado por nutricionista ou médico. Hoje em dia, a faixa considerada como ótima é entre 40 e 70 ng/ml.

Para quem realmente não consegue se expor ao sol (nem por 5 minutos) e já detectou deficiência de vitamina D no sangue, sugiro buscar ajuda profissional para a prescrição de suplementos manipulados ou prontos de qualidade a fim de garantir o aproveitamento pelo organismo. Mas não se automedique nem compre o primeiro suplemento que vir pela frente. Pode te fazer mais mal do que bem.

Beleza de dentro para fora

O que comer para ter o cabelo bonito

Foto: soderbergagentur.com

Da mesma forma que uma roupa consegue levantar nosso astral, os nutrientes que escolhemos ingerir garantem uma pele linda. Além de bem-estar de sobra, afinal a beleza vem de dentro para fora não é mesmo?  E essa beleza interna, proporcionada por uma alimentação e estilo de vida saudáveis, gera, sem dúvida, uma aparência exterior mais bonita e luminosa.

O que comer para ter o cabelo bonito

Fotos: kissmegray.tumblr.com | farmhousetable.com

Para isso, é necessária a ingestão de alimentos inteiros, de preferência orgânicos e com capacidade desintoxicante como as folhas verdes escuras (agrião, rúcula, alface, couve, espinafre),  vegetais crucíferos (brócolis, couve-flor), limão, frutas com casca, fibras (linhaça, chia, aveia) e água. Muita água! Também vale água de coco que é riquíssima em nutrientes, só não pode abusar e só bebê-la no lugar da água pura, que é insubstituível. Nesse contexto não podemos esquecer do poder detox de chás como hibisco, gengibre, dente de leão, cavalinha, erva cidreira e chá verde, que nos ajudam a eliminar toxinas, estimular a circulação, diminuir a retenção de líquidos, melhorar o funcionamento do corpo e contribuir para a saúde da pele e do cabelo ao mesmo tempo.

O que comer para ter o cabelo bonito

Foto: www.greatist.com

O tipo de dieta que fazemos também interfere na saúde dos cabelos. Cabelos oleosos, por exemplo, costumam ter aparência de sujos e mal cuidados, mas o problema vai além: o excesso de oleosidade pode levar à queda, os poros ficam obstruídos pelo sebo e a nutrição necessária não consegue chegar à raiz. Fora a coceira e a caspa comuns em cabelos oleosos.

O que comer para ter o cabelo bonito

Fotos: www.jessicagavin.com

É claro que a oleosidade não é apenas culpa do que comemos. Na maioria dos casos, o excesso de oleosidade é provocada por alterações hormonais e estresse, mas uma alimentação rica em produtos industrializados, frituras, açúcar e excesso de carnes vai piorar e muito. Para ajudar a controlar a oleosidade capilar, experimente comer alimentos ricos em vitamina A (betacaroteno) como abóbora, cenoura, manga, batata doce e mamão, além de alimentos ricos em zinco, como castanha do Brasil, ostra e frutos do mar.

O que comer para ter o cabelo bonito

Fotos: www.deliacreates.com

Mas se você sofre com o ressecamento do couro cabeludo, saiba que existem alimentos com capacidade de nutrir e devolver a hidratação natural. São eles: ômega 3 (consumir em cápsulas ou aumentar o consumo de nozes, amêndoas, linhaça, chia e peixes como sardinha, atum, salmão e bacalhau, assim como as nozes e amêndoas), frutas e vegetais antioxidantes com frutas vermelhas e roxas (mirtilo, framboesa, amora e morango), abacate e vegetais verde escuros (espinafre, couve, taioba).

O que comer para ter o cabelo bonito

Foto: adventuresincooking.com

Substituir alimentos artificiais e refinados por uma alimentação mais natural e equilibrada é o melhor caminho para garantir uma pele luminosa, cabelos saudáveis e saúde de ferro.