A linha volta às lojas com modelagens, materiais e texturas inéditas que vão deixar mães e filhas em plena harmonia.

Essa sintonia aparece por aqui a cada olhar e sorriso de mães do nosso time e suas filhas, que nos presenteiam com momentos especiais.

Destaque para capas, quimonos, cortes de alfaiataria e bordados que enfeitam as peças, todas em tricô, feitas para crianças de 2, 4 e 6 anos. Com uma paleta de cor mais sóbria, tons de vinho, branco, azul marinho e off-white colorem as novidades.

Confira quais lojas recebem a linha: Rio de Janeiro, Niterói, Búzios, São Paulo, Alphaville, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Uberlândia, Acre, Aracaju, Balneário, Belém, Blumenau, Brasília, Campos, Canoas, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Goiânia, João Pessoa, Juá, Maceió, Manaus, Maringá, Recife, Salvador, São José, São Luis e Teresina.

Tricô

Fotos: Elle | Maria Filó

Se na segunda-feira o ânimo parece querer ficar na cama, nada melhor que levar esse clima de abracinho gostoso da cama para um dia inteiro de trabalho.

Tricô

Fotos: Who What Wear | Maria Filó

Com a temperatura mais amena, é hora de lançar mão dos tricôs, dos mais finos que fazem às vezes de blusa delicada, aos mais quentinhos e cheios de textura, depende do clima e do humor.

Tricô

Fotos: Harper’s Bazaar | Maria Filó

Aquelas que encaram escritórios gelados sabem bem que sempre cabe um bom tricô na bolsa, ou mesmo enrolado no pescoço com ar de cachecol charmoso. Mas como “look principal” a peça também bate um bolão, é fresquinho e ao mesmo tempo protege da brisa leve, aquela que adoramos quando vem.

Tricô

Fotos: The Fashion Tag | Maria Filó

Além de tudo, o tricô amarra bem do look básico ao mais social, fazendo ainda um contraponto clássico naquele visual com a pegada moderna. É ou não é um abraço?

Nossas lojas ganharam um colorido especial que vem roubando os olhares. A coleção Galeria está deixando as araras repletas de formas orgânicas que trazem o perfume da natureza aos elaborados fios do tricô. Essa profusão de cores e tramas vai além: ela conta com a parceria de Clara Valente, artista que traz paisagens móveis às peças, fazendo com que seus traços ganhem vida ao ornar as belíssimas novidades.

Hoje conversamos com a pintora mineira sobre três casamentos bem-sucedidos na sua obra: o da moda com a arte, o da paisagem com a urbanidade e o da geometria com a fluidez. Se a princípio eles parecem pouco óbvios, ela derruba barreiras e mostra o viés híbrido das suas criações, que se inspiram na contemplação dos ricos cenários naturais de Minas Gerais.

Quer saber mais sobre suas referências? Confira a entrevista:

Desde quando a pintura e o desenho estão presentes na sua vida?
A arte está presente na minha vida desde sempre. Frequentava desde pequena o atelier de meu tio Pedro, que é artista. Adorava contemplar a natureza e me perdia nos mergulhos no mar e nas lagoas.

Como foi o seu processo de criação para a coleção Galeria?
O processo de criação para a coleção foi, na verdade, um passeio pelas minhas pinturas, fazer delas uma paisagem que se veste, móvel.

Fala um pouco sobre como você encara esse flerte entre moda e arte.
Minhas pinturas retratam a natureza. Elas remetem aos momentos de contemplação. Sempre procuro me vestir com as cores das minhas pinturas porque elas me trazem aquele mesmo sentimento de novo. A arte e a moda estão interligadas, a gente veste o que a sente.

Sua obra retrata a natureza e, ao mesmo tempo, está presente em intervenções urbanas. Como você vê esse encontro entre o natural e o concreto?
Tento trazer a paisagem natural para a cidade. Pinto uma natureza que antes existiu ali no lugar daqueles muros, concretos e construções. Além disso, eu vejo que as pinturas e intervenções nas ruas são como paisagens urbanas. As paredes e prédios não deixam de ser paisagens concretas.

Você demorou para encontrar seu traço, sua assinatura? Como foi esse processo de descoberta?
O processo de descoberta do meu traço surgiu a cada dia de trabalho e pesquisa. Gosto muito das incursões na natureza e na cidade, do processo de assimilar tudo ao meu redor. Foi trabalhando muito, pintando e estudando as cores que encontrei meu traço. O olhar e a luz em cada horário do dia me trazem uma paleta de cores e formas. Gosto muito também de ver editoriais de moda em revistas para me inspirar.

É incrível como você usa muita geometria no seu trabalho e ainda assim ela é fluida.
A geometria na minhas pinturas também são observações do meio urbano. A arquitetura dos prédios, pontes e viadutos. Tudo misturado com o pôr do sol, os rios, o mar e as montanhas.

Quais são as suas maiores referências artísticas?
Eu tenho muitas referências artísticas, agora ainda mais com o Instagram. São tantos artistas, antigos, novos e contemporâneos. Tenho a referência de um todo, moda, cultura, cidade, artistas, fotógrafos…

Qual é a influência de Minas Gerais nas suas criações?
Minas Gerais tem montanhas e muitos lugares lindos. O cerrado me inspira muito, as cores do pôr do sol. Gosto muito de viajar para as serras que nos envolvem aqui.

Pingue-pongue:
Uma artista que me inspira… Raquel Schembri e Hilma Af Klint.
Movimento artístico… Dadaísmo.
Pintar é… Expressar.
Moda é… Personalidade.
Uma cor… As de tom flúor.
Uma forma geométrica… Triângulo.
Uma música/disco que representa bem sua obra… The XX.
Ser Valente é… Ter coragem.

Atire a primeira pedra quem nunca sentiu a falta de um bolso no visual para facilitar o dia a dia. Em meio ao corre-corre da rotina, ter aquele espacinho para guardar o celular ou o cartão e quebrar um galho na hora do almoço, levar o batom para retocar, guardar o brinquedinho do filho… São mil e uma situações que pedem praticidade, não é mesmo?

Muito além do charme (e que charme!), os bolsos são seus aliados na rotina, sem falar na liberdade de movimentos que a ausência de uma bolsa pode proporcionar em algumas situações. Por mais que os acessórios sejam puro desejo, tem dias que pedem por leveza e noites que tudo o que mais queremos é poder dançar à vontade, sem segurar nada.

É nessa corrente em busca de uma vida descomplicada que os bolsos roubam a cena nos visuais da temporada. Para lá de utilitários, eles provam que podem dar bossa extra às mais variadas ocasiões, do look festivo ao visual de trabalho. E como tudo fica ainda melhor com detalhes especiais, os bolsos ganham aviamentos e formatos atualizados, que tiram qualquer produção do lugar comum.

Qual é o seu preferido? Escolha aqui.

Rosa claro

Fotos: FMag | Maria Filó

Se o céu parece cinza ou se o clima não está dos mais leves, mesmo que o sol esquente e teime em aparecer em máxima potência todos os dias, a vida pede e sempre haverá de pedir um pouco mais de leveza.

Rosa claro

Fotos: Maria Filó | Harper’s Bazaar

E nada melhor para combater o peso da rotina do que uma cor delicada que promete deixar qualquer astral melhor. O rosa chá aqui se apresenta como antídoto antimonotonia, suave e elegante como uma xícara de chá no meio do dia, nos acariciando e trazendo paz.

Rosa claro

Fotos: Maria Filó | Elle

O rosa suave, também chamado de rosa blush e tendo variações que chegam até o atual millennial, se combina facilmente com outras cores claras ou mais escuras, como os elegantes verde matcha, o azul marinho e até o preto.

Rosa claro

Fotos: Maria Filó | The Budget Babe

Mas a nossa sugestão para a semana é manter um look iluminado, para a semana seguir no mesmo clima!