Cachorro e gato

Fotos: Bored Panda

Amizade que é amizade não tem tempo ruim, na rua, na chuva ou na fazenda enfrenta junto todos os momentos, até o sol voltar a brilhar. Parece um grande clichê, mas não quando o assunto em questão fala de uma das amizades mais improváveis do mundo animal.

Um cão e um gato andam dando uma lição de convivência e fofura na vida real, em tempos que as pessoas duelam bastante pelas redes sociais, provando que as diferenças podem também gerar bom convívio e um grande afeto. Henry e Baloo são um cachorro e um gatinho adotados por um casal de aventureiros, que não só são melhores amigos, como também adoram viajar.

Cachorro e gato

E a dupla improvável anda bastante pelo mundo, escalando montanhas, em longas trilhas e por diversos países, o que também é curioso, pois os gatos não são exatamente famosos por acompanhar seus donos por aí. Acontece que Baloo não consegue ficar longe de Henry e vice-versa, fazendo dos “irmãos”, além de unidos, bem viajados!

Cachorro e gato

As fotos dizem mais do que poderíamos escrever, um grande exemplo para esse período que pede união e carinho… como cães e gatos!

Cachorro e gato

Adote um avô

Imagem: Adote um avô/divulgação

Vez ou outra o coração aperta e nos enchemos de vontade de fazer o bem, ou apenas uma gratidão enorme pelas coisas boas da vida, que nos gera o desejo de compartilhar o amor que recebemos, espalhar por aí um pouco de esperança e alegria, fazer a nossa parte.

Adote um avô

Imagem: Adote um avô/divulgação

E essa época do ano essa vontade fica mais latente, é um ótimo momento para começarmos a ajudar algum projeto com o qual nos identificamos, doando tempo e afeto. Foi assim que nasceu na Espanha um projeto muito legal, que também cairia como uma luva por aqui. O estalo se deu quando Alberto Cabanes foi visitar seu avô num lar de idosos e conheceu Bernardo, um senhor que como muitos outros disse o quanto gostaria de ter netos para visitá-lo.

Adote um avô

Imagem: Adote um avô/divulgação

Tocado, Alberto começou uma força tarefa do bem chamada Adote um avô, uma plataforma onde pessoas de todos os lugares da Espanha podem se conectar com idosos que moram em asilos sem receber visitas de ninguém. E a partir daí criam-se relações que não têm preço, dando a essas pessoas abraços apertados, companhia, ouvidos para boas e velhas histórias, passeios e aconchego. E, claro, recebendo tudo isso em troca.

Adote um avô

Imagem: Adote um avô/divulgação

Mais de mil idosos já foram adotados desde então, imagina se essa moda pega por aqui? Se você já conhece alguma iniciativa assim por essas bandas, conte para nós. Se não, a hora de colocar a mão na massa é agora, adote um vô e uma vó e ganhe em troca grandes amigos!

Medicina da Consciência

Imagens: Instagram Medicina da Consciência

Que para cuidar da nossa saúde precisamos ir muito além do corpo físico, não é nenhuma novidade, já faz anos que ouvimos sobre a importância da mente sã para o corpo são. Mas na correria do dia a dia é mais que normal que deixemos o equilíbrio de lado seguindo uma rotina cheia de pequenos hábitos nenhum pouco saudáveis, que só percebemos mesmo quando o corpo começa a reclamar, através de dores, doenças crônicas e outros sintomas nada confortáveis.

Medicina da Consciência

Imagens: Instagram Medicina da Consciência

Mas que tal ao invés de só olhar para dentro quando alguma coisa vai mal, começar a cuidar o quanto antes do corpo, da alma e da mente, de forma integrada, para que as coisas possam fluir em harmonia e pleno equilíbrio, evitando que alguma coisa na nossa complexa engrenagem saia do lugar?

Essa é a proposta da Medicina da Consciência, que combina as medicinas ocidental, funcional e natural através da prática do yôga, da meditação e da alimentação ayurveda, trazendo uma modificação sutil e ao mesmo tempo uma reestruturação total das nossas energias para ajudar o corpo físico a se restaurar.

Medicina da Consciência

Imagens: site Medicina da Consciência

Criada pela Carolina Presotto, médica e dermatologista formada em ayurveda e yôga na Índia, a Medicina da Consciência trabalha com terapias integrativas para melhorar nossa pele, qualidade de vida, hábitos e padrões, de dentro para fora.

Pois a receita da saúde plena está em um só lugar: dentro de você!

O Dia da Consciência Negra está chegando e, com ele, temos a oportunidade de refletir sobre um tema tão importante como a igualdade racial. Montamos aqui um roteiro especial, com eventos e locais que contam a história dos africanos e afrodescendentes, celebram a negritude e provocam o pensamento crítico.

  • Rio de Janeiro

Cais do Valongo: localizado na zona portuária, recebeu o título de Patrimônio Histórico da Humanidade pela UNESCO por ser o único vestígio material do desembarque dos africanos escravizados nas Américas.

Dia da Consciência Negra

Foto: Divulgação/Marcelo Mena

Instituto dos Pretos Novos: hoje na Rua Pedro Ernesto, 32, o IPN é considerado o maior cemitério de escravos das Américas. Os “pretos novos” eram os africanos recém-chegados ao Brasil, que não resistiam aos maus tratos da viagem e morriam pouco depois de desembarcar. Hoje a casa funciona como centro cultural para o resgate da história da cultura africana e oferece cursos e oficinas, além de uma biblioteca sobre a temática negra. Terças, quartas, quintas e sextas das 13h às 19h, sábados das 11h às 15h30. Não funciona aos domingos e segundas (inclusive no feriado).

Dia da Consciência Negra

Foto: Halley Pacheco de Oliveira

Pedra do Sal: fica no Morro da Conceição, parte da região conhecida historicamente como “Pequena África”. Era lá que os africanos festejavam, dando vida anos depois ao samba urbano carioca e aos antigos ranchos carnavalescos. Hoje a região continua sendo palco de muita música e eventos culturais, como teatro, videoprojeções, etc. Toda segunda é dia de roda de samba das 18h às 22h.

Madrugada do Centro: evento especial com 72 horas de programação cultural na área externa do CCBB Rio em comemoração ao Dia da Consciência Negra.
Além da tradicional festa com shows e DJs, terá feira com comida de rua, moda, design, artesanato, oficinas, aulas de dança para crianças e batalhas de MCs.

Veja detalhes aqui.

  • São Paulo

Museu Afro Brasil: localizado no Parque Ibirapuera, abriga mais de 6 mil obras, entre pinturas, esculturas, gravuras, fotografias, documentos e peças etnológicas, de autores brasileiros e estrangeiros, que mostram diversas facetas dos universos culturais africanos e afro-brasileiros. Todos os dias, das 11h às 17h, com exceção das segundas. Não abre no feriado.

Dia da Consciência Negra

Foto: Museu Afro Brasil/Nelson Kon

Museu da Imagem e do Som: Entre os dias 20 e 22 de novembro, o MIS ganha diversas atrações em comemoração ao Dia da Consciência Negra. A programação abrange shows, comidas típicas brasileiras e espetáculo sobre samba. Gratuito. Saiba mais aqui.

  • Recife

Museu da Abolição: o espaço tem como missão institucional preservar, pesquisar, divulgar, valorizar e difundir a memória, os valores históricos, artísticos e culturais, o patrimônio material e imaterial dos afro-descendentes, por meio de estímulo à reflexão e ao pensamento crítico. Aberto todos os dias das 9h às 17h, com exceção dos domingos. Sábado abre às 13h.  Saiba mais aqui.

  • Salvador

Concha Negra: o evento recebe no dia 18, às 18h, o bloco afro Ilê Aiyê, que convida os cantores Daniela Mercury e Criolo. A abertura fica por conta do Bando de Teatro Olodum. Local: Concha Acústica do Teatro Castro Alves. R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Foto: Andre Frutuoso

Afro Fashion Day: 40 marcas baianas de acessórios, turbantes, roupas e calçados, que serão apresentadas por cerca de 90 modelos na passarela. Sábado (18), em Porto Salvador, no Comércio, às 9h. A entrada é 1 kg de alimento não-perecível e está sujeita à lotação do espaço. As doações serão destinadas ao Mesa Brasil Sesc.

Rolé Brasil: roteiro percorrerá ruas da Calçada à Igreja do Bonfim no dia 18, ressaltando legado dos negros. Gratuito.

Mulher Com a Palavra: Camila Pitanga é convidada da edição que tem como tema Negra, Sim! e acontece no dia 23, às 20h, no Teatro Castro Alves. Os ingressos custam R$ 10 e R$ 5.

Áfricas na Gente: projeto recebe nomes do cenário cultural baiano para rodas de conversa em escolas de Cajazeiras. Gratuito.

Traga-me a Cabeça de Lima Barreto: monólogo celebra vida e obra do escritor negro. Estreia será dia 30, no Teatro Vila Velha. Quintas (R$20), sextas, sábados e domingos (R$30). Às 20h (domingos às 19h).

Negra É A Voz – Toda Mulher É Meio Chica da Silva: as Ganhadeiras de Itapuã estrelam o espetáculo que será apresentado em 4 sessões, entre os dias 23 e 26 de novembro, na Caixa Cultural de Salvador. A cada dia, o grupo recebe como convidadas outras cantoras negras, como Larissa Luz, Juliana Ribeiro, Anelis Assumpção e Virgínia Rodrigues. R$ 10 e R$ 5.

Dia da Consciência Negra

Foto: Ricardo Prado/Divulgação

  • Minas Gerais

Novembro Preto: BH sem racismo: um evento com programação que abrange debates, oficina, show, etc.

Confira programação completa aqui.

Foto: divulgação

Pode ser difícil se colocar no lugar do outro, mas ter empatia é a chave para termos um mundo melhor, mais solidário, onde consigamos exercitar a nossa generosidade e realmente ajudar a melhorar a vida do outro. Esse é um assunto que deve estar em pauta na nossa casa, nas escolas e também em museus, por que não?

Foto: divulgação

Foi assim que nasceu em Londres o Museu da Empatia, um projeto itinerante que busca entender um pouco melhor o que o outro vê e sente, se colocando no lugar. Ou como dizem na Inglaterra, “in your shoes”, andar com os sapatos do outro, se colocar na pele do outro, para estar de fato junto, compreender, transformar e aprender com o que a experiência do outro tem a ensinar.

Foto: divulgação

E esse museu bacanérrimo agora anda por aqui, a partir desse fim de semana quem estiver por SP pode experimentar “vestir” os sapatos e a vida de outras pessoas, de uma forma para lá de bonita e simbólica. Ao entrar no museu, que tem forma de uma caixa de sapato, você escolhe um par de sapatos e passa a caminhar pelo espaço ouvindo a história de vida do seu dono.

Foto: divulgação

São relatos de superação, que abordam temas como diversidade, violência social e direitos humanos, LGBTfobia, gordofobia, educação, cultura, acessibilidade e direito à cidade, todos essenciais. O Museu da Empatia e o projeto Caminhando em seus sapatos ficam no Parque Ibirapuera até o dia 17 de dezembro. Quem estiver pela área não pode perder essa experiência para lá de especial.