O blog da Maria Filó

Dia do Cinema Nacional: veja dicas de filmes

Sabia que hoje é dia do Cinema Nacional? E olha só que beleza: o fim de semana e o inverno batem à porta. Por aqui entramos no clima e damos ótimas dicas de filmes que celebram nossa cultura.

Da comédia ao drama, passando por biografias e romances, tem trama para todos os gostos. Os filmes apresentam personagens que são grandes protagonistas de suas próprias trajetórias. Cada um ao seu jeito, eles encaram as dores e delícias de serem quem são.

Elis (2016)

O longa conta mostra como foi a vida da cantora Elis Regina Carvalho Costa, ou apenas Elis Regina, como ficou nacionalmente conhecida. Uma mulher que fez história no mundo da música.

No início de sua vida adulta, ela decide abandonar o Rio Grande do Sul em busca de seu sonho. No Rio de Janeiro é onde a voz da Pimentinha ecoa para todo o Brasil. A partir daí, ela se consagra com uma das maiores cantoras nacionais. A produção dirigida por Hugo Prata conta a história da cantora forma intensa e com pitadas de irreverência. Afinal, tratando-se de Elis (Andreia Horta) , não podia ser diferente.

De Pernas Pro Ar 3 (2019)

O terceiro filme da franquia protagonizada por Ingrid Guimarães mostra o sucesso do empreendimento de Alice, o Sex Delícia. Sua marca chega ao exterior e, dessa forma, seu trabalho só aumenta. Por isso, a empresária passa mais tempo longe da família.

Cansada de toda a agitação, Alice entrega seus negócios para sua mãe e a partir daí mais aventuras surgem. Uma nova concorrente entra em cena e balança as estruturas do negócio.

Dona Flor e Seus Dois Maridos (2017)

A trama de Dona Flor e Seus Maridos já é uma velha conhecida das telonas e até da telinha. Na versão que estreou em 2017, Juliana Paes interpreta Flor, uma professora de culinária que vive em Salvador. A baiana fica viúva de seu marido Vadinho (Marcelo Faria), mas decide seguir com sua vida.

Flor se casa com Teodoro (Leandro Hassum), um grande farmacêutico da cidade. Mas seu falecido marido volta como espírito. Então ela se vê diante da dúvida com qual dos dois ficar. A comédia inspirada no livro de mesmo nome, escrito por Jorge Amado, é um dos clássicos nacionais para colocar na lista.

Minha Fama de Mau (2019)

A carreira e biografia de Erasmo Carlos dá o tom do enredo de Minha Fama de Mau. O jovem Erasmo (Chay Suede) tem o grande sonho de viver de sua música e ser um astro do rock n’ roll nacional.

Durante a trajetória do cantor, grandes nomes da música e do entretenimento são fundamentais para a ascensão do Tremendão. Através do apresentador Carlos Imperial, Erasmo conhece Roberto Carlos, seu companheiro de composições. Assim, nasce uma grande parceria de sucesso.

Aquarius (2016)

O filme dirigido por Kleber Mendonça Filho mostra como a jornalista Clara, interpretada por Sonia Braga, luta contra a demolição do edifício onde vive. O objetivo da derrubada é transformar o local em um novo empreendimento.

Clara passou toda a vida no apartamento do Edifício Aquarius, em Recife. Ela foi a única moradora do local a não vender sua casa e, por sua decisão, sofre ameaças e assédio para que aceite a proposta feita pela construtora.

Como Nossos Pais (2017)

Rosa (Maria Ribeiro) é uma mulher que se divide entre as missões de ser mãe, profissional, esposa e filha, tudo ao mesmo tempo. Ela sente pressionada, ainda mais porque vem de uma família de intelectuais, além de ter 2 filhas adolescentes.

O filme dirigido por Lais Bodanzky aborda a questão da mulher multitarefa e de todas as cobranças que surgem a partir disso. A narrativa também deixa em evidência a questão da culpa feminina.

A Dona da História (2004)

A comédia romântica gira em torno da vida de Carolina, interpretada por Débora Falabella (quando jovem) e por Marieta Severo (na maturidade). No filme de Daniel Filho, a mulher decide repensar suas escolhas e, juntamente com o marido, vende o apartamento onde os dois vivem.

Após alguns conflitos sobre essa venda, Carolina e Luis Claudio (Rodrigo Santoro na juventude e Antonio Fagundes) concluem o processo. Depois disso, Carol tem um outro com ela mesma no passado e reescreve sua própria história.

Lisbela e o Prisioneiro (2003)

Uma das paixões de Lisbela (Debora Falabella) é ir ao cinema e admirar os galãs dos filmes hollywoodianos. Mas ela se apaixona de mesmo é pelo conquistador Leléu (Selton Mello), quando ele chega à sua cidade.

A aproximação dos dois foi imediata, mas Lisbela está noiva e vivendo conflitos familiares e cheia de dúvidas sobre o que fazer. Em meio a isso, um matador aparece atrás de Leléu por ele ter se envolvido com sua esposa.

Minha Vida em Marte (2018)

Um casamento de anos desgastado pela rotina. Esse é o fio condutor de Minha Vida em Marte. No filme, Fernanda (Mônica Martelli) se divide não só entre cuidar de sua carreira e da filha pequena, como também lidar com as questões de sua relação fragilizada com o marido.

O amigo Aníbal (Paulo Gustavo) é o parceiro de Fernanda. Ele a ajuda com o dilema de seguir com o relacionamento ou iniciar uma nova etapa. Ao mesmo tempo, os dois vivem muitas aventuras e fortalecem ainda mais seus laços.

Ó, Pai, Ó (2007)

No último dia de Carnaval, a diversão dos moradores de um cortiço no centro histórico de Pelourinho, em Salvador, é atrapalhada por uma vizinha evangélica. Ela fecha o registro de água do prédio e acaba trazendo à tona os contrastes sociais do local.

Dirigido por Monique Gardenberg, o longa é uma comédia musical e tem roteiro baseado na peça de Márcio Meirelles. Cereja do bolo? Trilha sonora de ninguém menos que Caetano Veloso. Entre os atores, Lázaro Ramos, Dira Paes e o Bando de Teatro Olodum.

  • Tags

  • Viajar está na seleta lista de melhores coisas da vida. Isso porque nã...
    saiba mais
  • Sejam bem-vindas, mantas de tricô
    24.09.2020 • Lifestyle
    Que atire a primeira pedra quem não parou para cuidar da casa com aind...
    saiba mais
  • Se ajeita aí na cadeira com todo conforto e reserva um pouco mais de t...
    saiba mais
  • compartilhar post

    posts relacionados

      MARIA FILÓ © 2017 Todos os direitos reservados.